quarta-feira, 5 de março de 2008

Continuação da minha vida. Parte II



Olha como eu era fofinha! Estava fazendo besteira, é claro! (Foto: Manu pequena. Objeto na mão: creme da mamãe. Lugar: quarto do papai da mamãe. Pensamento da Manu na foto: Me pegaram fazendo besteira.)


Voltando ao assunto passado ao cubo mesmo, pq demorei pra chuchu.

Não rolou. Porque aqui no Brasil o emprego já é difícil imagina para um oceanógrafo?!

Pulando...

Aos 13 anos, ingressei no colégio Saint Gregor. Eita, farra! Conheci um grande amigo: Hélio, Felipe Jorge e Juliana Faria. O Hélio era inspetor de lá e o Felipe... Bem, o Felipe virou o meu amigão mesmo, andávamos pra cima e pra baixo juntos. Eu era o Rodolfo e ele o Et. A Ju é minha amigona até hoje! huahauhauahua!!!
Eita, fase engraçada!

Minha família como sempre me ajudando e me orientando. Fui uma adolescente normal. Dei trabalho, é claro, mas nunca faltei o respeito com eles. Mas, ficava chateada quando não podia sair (Aliás, nunca fui de sair. Não gostava muito de festas, mas queria ficar perto dos meus amigos, oras! ;) ) Depois, deixei de lado. Minha fase de querer sair passou. :)

Aos 15 anos, fui convidada pelo Flavinho pra cantar na paróquia Santa Inês no bairro onde moro (Jabour). Foi um máximo! A Aline Venturi (grande cantora e compositora católica), teve uma paciência grande para me ensinar as músicas e mesmo assim paguei alguns micos que acho que entraram pra história da paróquia. Ficaram curiosos pra saber que tipo de mico??

Cantava música errada. Um exemplo, a música "Existe um poço" eu cantava : Existe um porco (isso aconteceu uma vez, mas foi ridículo). Nem preciso dizer que tiveram outros desses micos..shuahauhsuhasu

O Padre Evanildo me recebeu de braços abertos. Rimos juntos, choramos juntos, enfim, um amigão! Conheci e ganhei amigos como (na ordem): Diogo, Dick, Ana Paula, Nixon, Renato, Daniele, Danielzinho, Tia Celeste, Tia Sandra, Rô, Pri Esteves( amiga-irmã), Dodo, Dina, Serjão, Adilson, Rondaldo, Fabi, Alê, Denise, Airton, Caduzinho e Laércio. Foi uma época muito especial pra mim. Aprendi muito e cresci muito(mentalmente, é claro, pq de tamanho...)

Aos 16 anos, fui para o colégio militar chamado Duplar. Lembro de como era quente (só tem um ventilador na sala) e apavorante estudar lá ( a educação é ótima, mas as pessoas de lá me assustavam). Ou seja, saí correndo...

Voltei para o Saint Gregor ou melhor MV1 (estou me sentindo o Galvão Bueno). Conheci a Tarsila ou melhor a Tarsi e Rafuxa (minhas amigas). O MV1 comprou o Saint Gregor. Foi uma tristeza, mas o colégio não mudou tanto assim, só o nome e o sistema de lá.

Aos 17 anos, conheci uma galera fantástica. Luiz Américo, mais conhecido como Mequinho, Daniel Macedo, Pedro Bastos e Zézinho do Pandeiro.
O Luiz Américo é violonista (toca muito. Pra você ter uma ideía ele me lembrava o Rafael Rabelo e o Bola Sete. Enfim, ele é sinistro no violão!). Ele ta trabalhando com o cantor André Leono (Maravilha de cantor e pessoa) até hoje e trabalhou um pouco comigo. Daniel Macedo, uma pessoa fantástica, meu cubano! Pedro Bastos: pai do Luiz Américo. Ele toca bandolim e violão de 7 cordas. Trabalhou com a nossa querida Dona Ivone Lara e trabalha com o Altamiro Carrilho. Zézinho do Pandeiro: Brilhante! Trabalhou com Pixinguinha, Carmem Miranda, outros mais e comigo. Ele era muito fofo, educado e simpático!

Bom, voltando ao Mequinho. Ele queria fazer um CD-demo comigo. Nós fizemos lá em casa. O meu pai montou um mini-estúdio pra mim (com toda dificuldade que ele tinha) e a gravação ficou fantástica.

Quando completei 18 anos fiz a minha 1ª comunhão (só falta me crismar) com a Tia Silvéria. Ela era linda, delicada, sincera, parecia a vovó Benta. =)

Andei fazendo uns cálculos e descobri que eu tinha 18 anos (perto dos 19 anos) quando conheci pessoalmente e trabalhei com o Oswaldo Montenegro.

Tudo começou quando fui assistir pela 1ª vez o show do Oswaldo Montenegro no Canecão (foi a 1ª vez que eu pisei no Canecão). Nossa, como fiquei emocionada! Chorava aos montes! Já conhecia o trabalho do Oswaldo através da minha madrinha (ela tem todos os CDs dele). E fiquei fissurada por ele. Ele apresentou o espetáculo "Léo e Bia". Fantástico! E no dia, anunciaram a oficina dele. Falaram sobre os teste. Mas eu não estava nem aí pra isso e a minha madrinha aí pra tudo isso.

Passou um tempo e liga a minha madrinha dizendo assim:
- Te inscrevi.
Eu respondi:
- Hein?!
Ela:
- É. Lembra da oficina do Oswaldo? Então, você precisa fazer o teste.

Quase morri naquele momento.

Pessoal, sei que é triste, mas preciso parar por aqui. Depois conto mais!

Beijinhos,
Manu Santos

4 comentários:

Letícia disse...

Háaaaaaaa...
Eu morro de saudades suas,...

Menina Zona Sul...hihihihi

Amu Tuuuuuuuu...

Bejos...
Lele...
heheheh

Letícia disse...

hiiiiiiii
tb rimou viu??

priesteves disse...

eita...q lindo texto! =D
Te amo!

Rafaela disse...

mas ela tá mt chique...
Manuzinha...te amo!
bju